A verdade sobre o Salmo 119 de A a Z

A Bíblia Sagrada aberta para leitura no Salmo 119

O Salmo 119 é o poema mais longo da Bíblia. É a oração mais longa. É o acróstico mais longo. É capítulo mais longo. Ele fica no centro da Bíblia e fala sobre a Bíblia. O Salmo mais longo é um salmo sobre Salmos. O capítulo mais desafiador da Palavra é um capítulo sobre a Palavra.

O escopo do Salmo 119 é amplo (22 estrofes) e limitado (cada verso é sobre a escritura). O capítulo cobre todos os aspectos da vida – sucessos, fracassos, vitórias, derrotas, prosperidade e adversidade – e, mesmo assim, é quase todo uma oração (praticamente todos os versos são dirigidos a Yahweh).

Por conta de sua extensão, sua unidade pode passar despercebida. As estrofes não são intercambiáveis. Pelo contrário, o Salmo é construído de forma a guiar o leitor em uma progressão da vida cristã. Ele cobre tudo o que você precisa saber para viver uma vida piedosa, de A a Z (ou “de aleph a tav”, no original). E ele o faz na ordem.

A (aleph) é o princípio fundamental da vida cristã: a felicidade vem da santidade. Se você não é santo, você não é feliz, e se você deseja ser feliz, tente a santidade (é por isso que só essa estrofe, assim como bet e het, já é um antídoto poderoso à abordagem “Jesus + Nada” à santificação).

B (bet) mostra que santificação produz satisfação. Essa é uma satisfação que afeta cada área da vida, e se transforma em um deleite e alegria que faz uma pessoa se sentir melhor que a pessoa mais rica do mundo. De fato, essas duas primeiras estrofes fazem a vida do crente parecer fácil, se não fosse por:

C (gimel), que ensina que crentes são peregrinos. Esse mundo não é nossa casa. Nós estamos de passagem, e nós nunca iremos, de fato, pertencer a este mundo. Isso já seria difícil o bastante, mas então descobrimos que

D (dalet) a vida do peregrino é marcada por dificuldades. Nossa alma irá passar tempo na poeira, cheia de sofrimento, enquanto pedimos a Deus que nos torne mais obedientes.

E (he) é um truísmo: o resultado dessas dificuldades é que você é o que você ama. O valor de um homem é visto no valor do objeto de suas afeições. Você quer ser alguém de valor? Então ame a Palavra inestimável!

F (vav) serve como uma recapitulação, mostrando a progressão da vida do crente. Fé leva a confiança, confiança a perseverança, perseverança a dificuldades e as dificuldades levam à santidade.

G (zayin), então, nos lembra que, por mais que tudo isso seja verdade, não é fácil. Só porque o caminho está descrito, não significa que será simples trilhá-lo. Nossas vidas serão marcadas pelas dificuldades. Felicidade está ligada a santidade, mas isso não significa que santidade é fácil.

H (het) é escrita à luz dessa tensão: mesmo que o caminho seja difícil, o salmista se compromete a andar por ele, não obstante a severidade das tentações e perseguições. Sabendo dos perigos e dificuldades, o verdadeiro crente se compromete a resistir.

I (tait), por sua vez, ensina que esse compromisso não é feito em um vácuo. Pelo contrário, só é possível fazê-lo por conhecer a realidade do que chamamos de graça irresistível. Deus irá buscar seus filhos. Os eleitos não irão se desviar do caminho, pois Deus é “o cão de caça dos céus”.

Assim, J (yod) mostra que, quando Deus nos alcança, experimentamos a força total da razão pela qual fomos criados: nós fomos criados para obedecer. Deus nos fez com suas mãos para que pudéssemos servi-lo com as nossas.

K (kaph) então pausa por um momento e nos mostra que nem todas as dificuldades ocorrem por causa do mundo. Em alguns casos, Deus decide afligir mesmo seus filhos obedientes, para santificá-los. Isso pode ser obviamente visto na pessoa de Jesus Cristo.

L (lamed) responde K ao provar que Deus irá salvar mesmo aqueles que aflige. Deus pode afligir seus próprios filhos, mas o justo sempre será vindicado por ele – mesmo se, para isso, for preciso uma ressurreição.

M (mem) é uma resposta à gravidade das verdades descritas em K e L. É uma declaração de que a verdadeira sabedoria se desenvolve por meio da Palavra e dos caminhos de Deus. Seus caminhos não são os nossos, seus planos não são os nossos e, assim, aquele que conhece sua Palavra irá odiar a falsa sabedoria e se agarrar aos caminhos de Deus.

N (nun) responde essa questão básica: como pode a pessoa sábia se manter nos caminhos de Deus em um mundo que é tão hostil ao cristão? O mundo está cheio das trevas da falsa sabedoria, e os filhos de Deus são estrangeiros cercados por perigos. Mas sua Palavra é uma luz para nossos pés – nosso GPS que nos irá levar para casa.

O (samech) ensina que, enquanto a Palavra de Deus guia os crentes, o julgamento de Deus certamente aguarda aqueles que não vem para a luz

Mas para aqueles que vem, ayin mostra que Deus os protege sob suas mãos. Se você está na luz, você é um escravo de Deus, um escravo da santidade e um escravo de Sua Palavra.

P (pe), então, mostra como Deus usa seus escravos. Ele os coloca em uma guerra santa, uma batalha contra o pecado. Somos seus guerreiros, e a santidade é nosso campo de batalha.

Tsade ilustra as linhas de batalha: Deus é justo, e todos os outros estão do outro lado. Se você não estiver reconciliado com ele por meio do Verbo, você é seu inimigo.

À luz dessa divisão, Q (cough) mostra que devemos confiar na oração. Somos soldados em batalha e a oração é nosso meio de comunicação com o Comandante.

R (resh) simplesmente ensina que oração não é o suficiente para a nossa batalha - o que é bom, porque você não está sozinho. Deus sempre responde aqueles que oram com fé, e ele irá salvar aqueles que clamam a ele.

S (shin) é uma representação daqueles que foram resgatados. É uma descrição do que eles fazem, com o que eles se importam e como eles se sentem. Vemos que aqueles que são resgatados amam a palavra de Deus e odeiam os inimigos de Deus.

T (ou “Z”, tav, a última letra) sobe os créditos e exibem uma imagem eterna do crente resgatado como uma ovelha que necessita de seu pastor. Mesmo após passear pela vida do crente, de A a Z, ainda estamos na posição de ovelhas, totalmente dependentes da palavra de Deus.

Fonte:
Reforma21.org | Jesse Johnson
Traduzido por Filipe Schulz
Original aqui

Nenhum comentário

Gostou do artigo? Não gostou? Quer deixar sua opinião, um elogio ou até mesmo uma crítica? Por favor faça uso deste espaço. Comente com sabedoria e respeito. Lembrando que todos os comentários serão moderados.