Por uma vida de santidade

Homem em oração

Mas, assim como é santo aquele que os chamou, sejam santos vocês também em tudo o que fizerem, (1 Pedro 1:15)

Os Dez Mandamentos estabelecem para nós padrões muito elevados. Eles nos desafiam a dar a Deus nossa adoração exclusiva, espiritual, coerente, regular e obediente, como também a preocupar-nos com a integridade da vida, do lar, da propriedade e do bom nome de nosso próximo. Compreender as implicações radicais dessas exigências reveladas por Jesus no Sermão do Monte percebendo nelas uma convocação a amarmos a Deus com todo o nosso ser e a amarmos o nosso próximo como a nós mesmos é capaz de levar-nos a um profundo desespero. De fato, foi este o propósito inicial de Deus ao nos dar a lei – expor e condenar nossos pecados, tirando assim de nós toda e qualquer esperança de salvar a nós mesmos. Pois desse modo pode-se dizer que a lei nos aponta para Cristo como o único, exclusivo e indispensável Salvador. Mas, uma vez que a lei nos conduziu a Cristo a fim de sermos justificados, Cristo nos manda de volta à lei para sermos santificados, contanto que nos lembremos de que somente o Espírito Santo pode escrever a lei em nossos corações e nos permitir obedecê-la.

Precisamos valorizar cada vez mais o inestimável dom do Espírito que habita em nós. Então iremos a Cristo cada dia, e a cada novo dia reabriremos nossa personalidade diante dele para que o Espírito Santo possa nos encher e transformar. Lembremos também que o próprio Deus estabeleceu certos canais por meio dos quais a sua graça santificadora pode nos alcançar. Esses “meios da graça” compreendem a leitura bíblica, a oração, a adoração, a comunhão e o culto da Santa Ceia. Precisamos fazer aquilo que os puritanos chamavam de “um uso diligente dos meios da graça”. Pois, como dizia J. C. Ryle, aplicando o ditado à vida cristã, “não há recompensa sem esforço”.

A nossa saúde física nos dá uma boa ilustração. A melhor forma de garantirmos a saúde e combatermos as infecções não é recorrendo aos medicamentos certos quando surge uma epidemia e somos expostos aos micróbios (embora isso possa ser necessário), mas sim criando resistência durante o restante do ano por cultivarmos regularmente bons hábitos alimentares, sono e exercícios disciplinados. Assim também o verdadeiro segredo para se lutar contra o mal e desenvolver uma vida de santidade não é o que fazemos no momento da tentação (embora de fato precisemos clamar a Jesus Cristo por libertação), mas antes o que fazemos no restante do tempo, acumulando força espiritual por meio de uma vida disciplinada no Espírito.

E agora vamos aos meios da graça.

Fonte:
Ultimato Online - John Stott
Trecho originalmente publicado no livro Como Ser Cristão.

Nenhum comentário

Gostou do artigo? Não gostou? Quer deixar sua opinião, um elogio ou até mesmo uma crítica? Por favor faça uso deste espaço. Comente com sabedoria e respeito. Lembrando que todos os comentários serão moderados.